sexta-feira, 28 de março de 2008

Assalto

Em plena Protásio Alves, às 16h. Eram dois.
- Ó, a gente não tá assaltando vocês. Vocês que tão nos dando.
- Quanto tu tem aí?
Abri a carteira e mostrei os únicos 7 reais que tinha. Ele pediu. Eu dei. Afinal, estávamos dando.
- Bah... passa esse tênis aí também.
- Tá, mas... como é que eu vou pra casa?
Ele pensou.
- Pega aqui as minhas havaianas.
Ele ofereceu os chilenos (ai, Ganzo) imundos.
- Bah, meu, não faz isso com a guria....
E ele devolveu os queridos tênis.
- Bah, che... como é que a gente vai voltar pra casa? Tu tá levando o dinheiro todo!
- Quanto que custa a passagem?
- 2 pila.
Ele pensou.
- Então toma esses 5 pila aqui.
- Bah, valeu, hein. Tchau.
E fomos nós para um lado, eles para o outro.

4 comentários:

Leonardo Bomfim disse...

Uma vez fui assaltado por uns pivetes desastrados. Também ficou nessa de "devolve, não devolve..". Resultado: Eu tinha dado 2 reais e recebi 3 reais dos bandidos!

Luana Fuentefria disse...

É sério isso?
Já ouvi essas histórias de assaltantes burros. Se um dia for assaltada, espero que seja por um deles.

Samir Oliveira disse...

Nossa, quanta sorte ein! Tu tinha um gravador na hroa do assalto, eh?

Carolina Tavaniello P. de Morais disse...

Nossa, como eles eram experientes!