terça-feira, 2 de outubro de 2012

(Nao) Procura-se


(Não) Procura-se um amor que não só goste de cachorros como de suas babas e unhas pontudas. Que não tente me segurar enquanto eu danço. Que não me incomode pelos sapatos que uso. Eles serão, sim, sempre os mais confortáveis.

(Não) Procura-se um amor que não se apavore com a quantidade de tatuagens que quero fazer – todas elas nunca acontecerão, eu acho que garanto. Que não tire com a minha cara se eu deixar passar uma atacante ou por acaso acertar a trave.

(Não) Procura-se um amor que me acompanhe na cerveja Weiss e que me agrade com balas de minhocas, dentaduras e ursinhos. Que saiba mexer no meu cabelo de uma forma que eu não pareça um Golden Retriever depois.

(Não) Procura-se um amor que entenda eu ter esquecido de colocar brincos pra ir no casamento ou não ter provado meu vestido de formatura até a véspera. Que me mime, apesar de eu parecer bronca e durona.

(Não) Procura-se um amor que reclame dos meus roxos de luta, mas que fique orgulhoso de saber o quanto isso me faz feliz. Que entenda que eu durma vendo os jogos da Seleção. Ou do Inter. Ou de qualquer outro que me dê vontade.

(Não) Procura-se um amor que não fique brabo se eu um dia beber até trocar as pernas e chamar os amigos recém feitos para dançar. Que não fique brabo quando eu roubar o último gole da água com gás ou o último pedaço da corn and bacon.

(Não) Procura-se um amor que saiba os autores que eu gosto, os cheiros que eu gosto, as cores que eu gosto, os toques que eu gosto. Que queira ver zumbis e depois uma comédia romântica ou filme com cachorros.

(Não) Procura-se um amor que não desmaie ao ver sangue. Que dê importância aos meus machucados. Que queira ser meu sparring – não te preocupe, eu não te bato, porque sei que tudo que vai, volta. Que saiba que tudo que vai, volta.

(Não) Procura-se um amor que goste daquela tia chata. Que queira estar com a minha família no churrasco de domingo e queira me levar para aquele aniversário no interior. Que aguente meu avô contando suas histórias de ginasta ou do meu parente defendendo o Acre.

(Não) Procura-se um amor que me queira como eu sou, como eu fui e como posso vir a ser. Que não tente me mudar de uma forma tão explícita. Que não me diga como eu deveria ser. Que não me compare comigo.

(Não) Procura-se um amor.

Não, procura-se.

Um comentário: