segunda-feira, 7 de julho de 2008

Ogra.

Não adianta. Eu não tenho o jeito da coisa.

Não sou meiga. Não sou fofucha. Muito menos um amor.
Não consigo usar o abre-e-fecha fácil da Lacta.
Não sei abrir nem Halls nem Clube Social pela listrinha vermelha.
Não consigo beber nada sem me derrubar.

Só como carne mugindo e fugindo de mim.
Sou zagueira.

Não tenho paciência para o telefone.
Não consigo dar explicações sem trincar os dentes.
Não tiro os nós dos sapatos.
Não uso roupas passadas.

Acordo e ponho as mesmas meias de ontem.
Escovo os dentes com vigor.

Não penteio os cabelos há quatro anos.
Não sei me maquiar.
Não uso cores vivas.
Não dou abraços com os dois braços.

Meu namorado reclama que eu só machuco ele.
Estralo os dedos sem parar.

As vezes acho que fui encontrada em uma gruta,
em meio a ossos e pedras.
Eu, a menina ogra.

5 comentários:

Thales Barreto disse...

Quanta maldade...
Hahahahahaha...

Maurício Levy disse...

e eu me apaixonei..

Gabriela disse...

hahahahaha
e eu me identifiquei. (menos com parte dos bichos mugindo!)

nandaetges disse...

adorei!
bem tu!
bem bebela.

Carol. SM. disse...

eu te acho um amor!
saudade de ti.
imensa saudade...